quinta-feira, 17 de julho de 2014

Não é bem assim...

Qual não é o meu espanto, ao encontrar no Facebook, uma imagem retirada deste blogue, com a marca de água recortada, e com uma legenda fantasiosa. Porque está com acesso publico, tomei a liberdade de fazer um printscreen para denunciar a situação e fazer, publicamente, as devidas correcções. Faço-o aqui, porque o referido perfil do facebook, não permite comentários de quem não seja "amigo".
Pois eis a postagem:

A postagem original de onde esta foto foi retirada é este: http://solaresebrasoes.blogspot.pt/2013/10/sinete-com-armas-de-esteves-da-veiga-de.html

 


Uma vez que não existe qualquer referência a este blogue, presumo que quando afirma que o sinete é da colecção do autor, que o autor seja o próprio Guilherme de Souza Girão. Acontece que este sinete, todo em metal, é da colecção do Paço de Molelos e não do referido autor. Quanto muito, a impressão desta fotografia, será da colecção do autor e nada mais.
Outra questão relevante, é que estas armas nunca foram dos Nápoles de Portugal. São as armas de Henrique da Veiga, filho segundo de Henrique Esteves,
f. a 2 ou 3-09-1523, senhor das honras de Molelos, Nandufe, Botulho, Mata, Real e Castanheira por casamento[1]. Administrador da Capela de Santa Justa, em Coimbra, Cavaleiro Fidalgo da Casa Real, Fidalgo de Carta de Armas[2], e do Conselho de D. Afonso V, e de sua mulher Filipa Nunes. Este casal teve como filho primogénito, Fernão Nunes Esteves da Veiga, a quem deixaram o senhorio de Nandufe e a capela de Santa Justa em Coimbra. Foi o neto deste Fernão Nunes, Diogo Esteves da Veiga e Nápoles, o primeiro que, em Portugal, usou esse apelido.
Sendo Fernão Nunes o filho mais velho, este utilizaria as armas de Esteves da Veiga plenas e sem a diferença, neste caso a merleta. Este sinete tem as armas do seu irmão Henrique da Veiga e corresponde à Carta de Brasão de Armas, passada ao mesmo Henrique da Veiga, a 31 de Agosto de 1542.




Como se pode ver, é exactamente a mesma fotografia, embora o autor tenha vindo dizer em 19-12-2017, posteriormente a eu ter publicado isto, e nos comentários feitos à sua mesma postagem, no Facebook, que:

"Este selo que tenho não é único. Por vezes faziam-se mais que um exemplar e ai que há um igual com uma (sic) tal Manuel Ferros".

Não só faziam mais do que um sinete, como colocavam nas armas a diferença do irmão, do qual não descendiam, provocavam desgaste exactamente nos mesmos sítios em todos eles (ver dois defeitos na bordadura à direita, e mancha que ocupa o topo do paquife no lado esquerdo), e, mais incrível, 400 anos depois, os seus descendentes conseguiram fazer uma fotografia exactamente igual à minha... Enfim, sem comentários... Mais do mesmo! Fica em baixo a transcrição da referida Carta de Brasão de armas onde, tal como na de seu pai, não existe qualquer referência ao apelido Nápoles...

A postagem do referido autor no Facebook https://www.facebook.com/photo.php?fbid=715102935199287&set=pb.100000987616215.-2207520000.1405606783.&type=3&theater (verificado em 06-02-2018) 




Carta de Brasão de Armas de Henrique da Veiga
31 de Agosto de 1542

Dom Joham por graça de Deus Rey de Portugal e dos Algarves daquem e d'alem mar em Africa Senhor de Guiné e da Conquista Navegação Commercio da Ethiopia, Arabia, Persia e da India, Etc… A quantos esta minha carta virem faço saber que Amrrique da Veiga cavalleiro fidalgo de minha casa naturall de Besteyros me fez petyção que elle descendia por linha direita mascolina por parte de seu pay, e avoos, e beisavoos da geração e linhagem dos esteves, que são fidallgos de carta d'armas que de direito suas armas lhe pertencem. Pedindo-me por mercé que per memoria de seus antecesores se não perder, e elle pouvir e usar da honra das armas que pellos merecimentos de seus serviços guanharam e lhes foram dadas e asy dos privilegyos, homras e graças e mercés que por dereyto por bem dellas lhe pertencem lhe mandase dar minha Carta das ditas armas que estavão Registadas em os Livros dos Regystos das armas dos nobres e figallguos de meus reynos que tem portuguall meu principall rey d'ármas; a quall petyção  vista per mym mandey sobre-la tyrar Inquirição de testemunhas, a quall foy tyrada por o doutor Joham monteiro do meu conselho, e Desembarguador das minhas petyçoes do paço. E por amtonio guodinho escripvão de minha camara e corte pela qual elle sopricamte prova descender da dita geração dos esteves por parte de seu pay e avoos como filho legytymo de amrique esteves, e neto de Joham esteves; os quaes foram todos fidallguos muito honrados e do verdadeyro tronco desta geração dos esteves, e que direito as suas armas lhe pertencem, as quais lhe mandey dar em esta minha carta com seu brasão hellmo e tymbre como aquy são devisadas e Regystadas nos lyvros d'armas-, as quaes armas são as seguyntes; a saber o campo de prata e huma froll de lys de vermelho com dous floriis, e per differença huma merleta preta; Elmo de prata e vermelho, E por timbre a mesma froll de lys com hos florois; o qual escudo escudo armas e synaes possa trazer, e tragua o dito amrique da veyga asy como as trouxeram e dellas usaram seus antecesores em todos os lugares de homra em que hos ditos seus antecesores e os nobres, e os amtyguos fidallgos sepre as costumarão trazer em tempo dos muy esclaredidos Reis meus  antecesores e com ellas posa emtrar em batalhas, campos, duellos, Retos e escaramuças e desafios e exercitar com ellas todollos outros autos lycytos de guerra, e de paaz; e a sy as posa trazer em seus firmaes, aneys e synetes, e devysas, e as poer em suas casas e edeficios, e leyxallas sobre sua propria sepulltura; e finallmemte se servir e homrar e gouvir e aproveitar dellas em todo e per todo como á soa nobreza comvem. Porem mando a todos meus corregedores e desembargadores, juizes e justiças, e allcaides, e em especiall aos meus Reys d'armas arautos e pesevamtes, e a quais quer oficiais e pessoas que esta minha Carta for mostrada e o conhecimento della pertencer que a todo lho cumprirao, e guardem e façam cumprir e guardar como nella he contheuo sem duvida nem embarguo  allgum que lho a ele seja posto porque asy he minha mercé. Dada em a minha muy nobre e sempre leall cidade de Lixboa aos trimta e huu  d'agosto. Ell Rey o mandou pelo bacharell amtonio Rodrigues portuguall seu principall Rey d'armas, Jorge perdroso escripvao da nobreza a fez anno do nacimento de nosso senhor Jezhuus chrispto de mill quinhentos quarenta e dois annos.



[1] Embora alguns autores refiram que os senhorios das honras de Molelos e Botulho lhe teriam sido atribuídos depois da Batalha de Toro, Manuel Abranches de Soveral diz-nos que já o seu sogro, Fernão Nunes Cardoso, era senhor dos ditos lugares, de onde se concluí que Henrique Esteves da Veiga os recebeu por casamento. (SOVERAL, Op. cit)
[2] Carta de 25-05-1509 - B. I., supto. 50.



Sem comentários:

Enviar um comentário