terça-feira, 23 de abril de 2019

Casa de Degracias




 Timbre de Cardosos

Escudo sob elmo e timbre de Cardosos.
Partido: I - Cardoso, com diferença, uma brica carregada da letra "L". II - Soares de Albergaria.

CBA de 02-02-1769, em nome de Leandro Cardoso Azevedo do Valle, capitão de ordenanças da vila de Rabaçal. Avô paterno do 1º visconde de Degracias

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Museu PO.RO.S em Condeixa-a-Nova (Quinta de São Tomé)



Armas de Braganças


Timbre de Figueiredos com um leão a segurar uma folha de figueira, em vez das duas patas de leão a segurar uma folha de figueira cada, pelas garras.

Armas de Figueiredos, com as letras A e I

Mausoléu da família Costa Cabral Vasconcelos Coutinho, no cemitério de Soure



Este escudo repete-se 8 vezes, uma por face dos pilares centrais do monumento.
Escudo sobre coronel de nobreza.
Esquartelado: I - Costa. II - Vasconcelos. III - Coutinho. IV - Cabral.
Sobre-o-todo: ?

Casa do Capitão-mor de Soure.





Escudo sob elmo e timbre de Soares de Albergaria.
Partido: I - Soares de Albergaria (com diferença). II - Coelho.

CBA de 6-06-1757, em nome de Plácido Soares Coelho,Cavaleiro da Ordem de Cristo, Capitão-mor da vila de Soure.

Casa brasonada em Soure




Pedra de armas picada.
Escudo sob elmo e timbre de ?
Esquartelado: I - Homem. II - Coutinho? III - ? IV - ?

Castelo de Soure







Janela manuelina em Soure




domingo, 31 de março de 2019

Placa cerâmica com as armas do bispo de Coimbra - D. Jorge de Almeida.



Inaugurou ontem, no Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra, a exposição: "A Encomenda do Bispo - Azulejos Hispano-Árabes em Coimbra", onde se encontra exposta a famosa placa cerâmica com as armas de D. Jorge de Almeida, 2º conde de Arganil e bispo de Coimbra de 1481 a 1543.
Peça produzida sob encomenda em Sevilha, em técnica de corda seca. Deslocada do Paço Episcopal para este museu em 1912.







Escudo sob galero verde de onde pendem dois cordões verdes de 10 borlas cada. Esquartelado de I e III - Almeida. II e III - Silva. No fundo a legenda: NEQ(u)ID NIMIS (não de mais)

domingo, 17 de março de 2019

Armas de D. Frei Miguel da Madre de Deus da Cruz - arcebispo de Braga

Da Ordem dos Frades Menores (Franciscanos). Sagrado bispo de São Paulo em 1792, mas não tomou posse. Arcebispo de Braga de 1815 a 1827.

Escudo oval sob galero de onde pendem dois cordões de 15 borlas cada, cruz arquiepiscopal e coronel de cinco florões aparentes.
Partido: I -Armas dos Franciscanos. II - Cortado de: 1 - Rodrigues. 2 - Borges.
Legenda: D FR. MICHAEL ARCHIEPISCOPUS BRACHARENSIS HISPANIAR PRIM.

terça-feira, 12 de março de 2019

Armas de D. Frei Joaquim de Santa Clara Brandão - arcebispo de Évora

Foi director Geral dos Estudos da Congregação de São Bento e Dom Abade do seu Colégio de   Coimbra. Arcebispo de Évora de 1814 a 1818.
Escudo oval sob galero de onde pendem dois cordões de 10 borlas cada, cruz arquiepiscopal e coronel de cinco florões aparentes.
Partido: I - Armas da Ordem de São Bento. II - Brandão.
Legenda: D. FR. JOACHIM DE. S. CLARA. ARCHIEP. EBONENSIS.

segunda-feira, 11 de março de 2019

Armas de D. Frei Gaspar de Bragança - arcebispo de Braga

Arcebispo de Braga de 1758 a 1789
Escudo sob galero de onde pendem dois cordões de 15 borlas cada, cruz arquiepiscopal e coronel de 5 florões e quatro pérolas aparentes.
Armas do reino.
Legenda: GASPAR ARCHIEPISCOPUS BRACHARENSIS HISPANIARIUM PRIMAZ

sábado, 9 de março de 2019

Armas de D. Frei Fortunato de São Boaventura - arcebispo de Évora

Arcebispo de Évora de 1832 a 1844
Escudo oval sob galero de onde pendem dois cordões de 10 borlas cada, cruz arquiepiscopal, coronel de cinco florões aparentes, ladeado por mitra e báculo.
Cortado: I - Virgem Maria segurando um crucifixo. II - Escudo oval com as armas da ordem de Cister.
Legenda: D. FR. FORTUNATUS. AS. BONAVENTURA. ARCHIEP. EBORENSIS.

sexta-feira, 8 de março de 2019

Armas de D. Frei Feliciano de Nossa Senhora - bispo de Lamego

 1755

Bispo de Lamego de 1742 a 1771. Conselheiro régio.
Escudo de fantasia sob galero de onde pendem dois cordões de 6 borlas cada, e cruz episcopal.
Partido de: I - Cruz da Ordem de Cristo, vazia de campo. II - Pelicano, em pé e sem ninho, ferindo-se  para alimentar as três crias.
Mitra e báculo sobre o escudo.
Legenda: D. FELICIANUVS EPISC. /  LAMACENSIS.

Armas de D. Frei Custódio de Santa Ana de Almeida - bispo de São Tomé

Freire da Ordem dos Agostinhos Descalços, Bispo de São Tomé de 1805 a 1812
Escudo oval assente sobre águia bicéfala (Agostinhos), sob galero de onde pendem dois cordões de 6 borlas cada, cruz episcopal e coronel de sete pérolas aparentes.
Escudo partido de: I - Cortado de 1 - Portugal. 2 - Gusmão. II - Almeida
Legenda: D. FR. CUSTODIUS. A. DIUA. ANNA. EPISCOPUS. SANCTI THOME

Armas de D. Frei Carlos de São josé de Azevedo - bispo da Guarda

Foi bispo da Guarda de 1806 a 1808

Escudo oval sob galero de onde pendem dois cordões de 6 borlas cada, cruz episcopal e coronel de nove pérolas aparentes.
Armas de Azevedos de São João de Rei, e no chefe armas da ordem de São Francisco.
Legenda: D. FR. CAROLUS. A S. JOSEPH. DE AZEVEDO EPISCOPUS EGITANENSIS

Armas de D. Frei Antonio Correia - arcebispo de São Salvador da Bahia

Primaz do Brasil, arcebispo de São Salvador da Bahia de 1789 a 1802

Escudo sob galero de onde pendem dois cordões de 10 borlas cada, cruz episcopal, e coronel de 5 florões aparentes.
Escudo cortado: I - Armas de Fé. Simbologia da Ordem de Santo Agostinho - Um coração flamejante, trespassado por uma flecha, abraçado por uma correia aberta, tudo pousado sobre um livro. II - Correia.
Legenda: D. FR. ANTONIUS. CORREA. ARCHIEPISCOPUS. BAHIENSIS.

Armas de D. Francisco Rafael de Castro (Principal Castro)



D. Francisco Rafael de Castro, filho do 1º conde de Resende e irmão do bispo do Porto, D. António São José de Castro.  Deão Principal da Santa Igreja Patriarchal de Lisboaa, Reitor da Universidade de Coimbra, do Conselho de Regência (1807)
Escudo oval sob galero de onde pendem dois cordões de 15 borlas cada, e coronel de sete pérolas aparentes.
Armas de Castros

Armas de D. Frei Francisco Leitão de Carvalho - 2º bispo de Beja

Bispo de Beja de 1802 a 1806, abade do Mosteiro de Nª Srª do Desterro, em Lisboa, Esmoler-mor do reino, Geral e Reformador da Ordem de Cister.

Escudo sob galero de onde pendem dois cordões de 6 borlas cada, cruz episcopal, e coronel de 5 florões aparentes.
Esquartelado: I - Carvalho. II - Leitão. III - Pereira. IV -  Marecos.
Legenda: D. FR. FRANCISCUS. LEITAM. ORDINIS. CISTER... ...CIS. EPISCOPUS. JULIO GACENSIS

Armas de D. Francisco de Sotomaior - bispo de Targa

1661
Bispo de Targa, conselheiro régio.
Escudo sob galero de onde pendem dois cordões de seis borlas cada.
Escudo com armas de Sotomaiores.
Anepígrafo.

quinta-feira, 7 de março de 2019

Acerca do património quinhentista (e outro) de São Miguel do Outeiro, Tondela.

Acerca do património quinhentista (e outro) de São Miguel do Outeiro, Tondela.
                        
            A recente demolição de uma fachada que possuía uma janela manuelina, na Rua de Nossa Senhora da Conceição em São Miguel do Outeiro, Tondela, representou o desaparecimento de 25%, ou seja um quarto, dos conjuntos de janelas manuelinas que existiam no município de Tondela.
            O concelho de Tondela actual, fruto da união de vários antigos concelhos medievais, possui  uma longa história de ocupação humana. As condições edafoclimáticas, ideais para a agricultura e para a pastorícia, cedo atraíram o homem para o seu estabelecimento nesta região.
            Milhares de anos nos afastam desses primeiros povos pré-históricos que por aqui habitaram. Da herança que nos deixaram, residem ainda alguns vestígios espalhados um pouco por todo o concelho, desde exemplos de arte rupestre aos monumentos megalíticos funerários.
            Foram milhares de anos em que culturas diferentes foram sucessivamente ocupando o espaço, construindo novas habitações ou reconstruindo as antigas ao gosto da sua época e cultura,  aproveitando, em grande parte das vezes, os materiais das construções anteriores.
            Hoje, quando olhamos para trás, já praticamente nada resta das estruturas anteriores à Idade Moderna, principalmente no que se refere à arquitectura civil, nomeadamente a erudita.
            Tondela foi território onde abundaram famílias nobres desde muito cedo. No centro das pequenas honras e coutos foram erguidas as suas casas senhoriais. 
            No território que hoje ocupa o concelho de Tondela, identificam-se, documentalmente, 5 torres medievais, ou Domus fortis, das quais não resta uma pedra. O mesmo se pode dizer do Castelo de Besteiros, pré-nacional.
            Se percorrermos atentamente as ruas dos centros históricos das nossas aldeias - e são muitos - os raros traços mais antigos que conseguimos reconhecer nas fachadas de alguns edifícios, serão cronologicamente situáveis nos finais do Séc. XV, inícios do XVI.
            Na sua maioria trata-se de padieiras e ombreiras de portas e janelas, de granito geralmente de grão fino e cujas quinas foram chanfradas. 

 Quina chanfrada ou biselada em moldura de janela, em São Miguel do Outeiro

            Este tipo de tratamento das arestas, que já vem do estilo gótico, acompanhou, posteriormente, a evolução para o nosso estilo tardo-gótico o chamado "Manuelino".     
            Dos poucos registos do estilo manuelino em Tondela, os que se conhecem afastam-se esteticamente da exuberância que vamos encontrar nos grandes centros urbanos e caracterizam-se pela simplicidade das suas linhas e ausência total de motivos decorativos, aproximando-se mais da arte hispano-árabe.
            Na página virtual da Câmara Municipal de Tondela consta que os únicos exemplos de janelas manuelinas no concelho de Tondela são as três janelas maineladas da Casa de São José, em Parada de Gonta, que se afastam do que acabou de ser dito acerca do estilo característico dos lintéis manuelinos de Tondela, razão que se prende com o facto de estas janelas não serem originalmente da referida habitação, tendo sido trazidas do edifício original, situado na cidade de Viseu, que foi demolido, e posteriormente oferecidas ao poeta Tomás Ribeiro, proprietário da casa de São José em Parada de Gonta, onde as mandou aplicar e se encontram até hoje.

 Janelas manuelinas da Casa de São José, de Parada de Gonta

            Na verdade, os verdadeiros lintéis manuelinos originais de Tondela, de arcos conopiais, sem motivos decorativos, estavam presentes, que se conheça, em pelo menos três outros edifícios do concelho.
            Um está numa janela de uma fachada no pátio Norte do Paço de Molelos e acompanha-o uma porta com emolduramento de quina chanfrada da mesma época, conjunto que parece estar no seu sítio original, encontrando-se em bom estado de conservação.

Paço de Molelos

            O segundo edifício está em Sabugosa, contíguo ao edifício que funcionou como discoteca, no cruzamento da Av. Devaguinha com a Rua Luís Figueiredo. Tratam-se de duas padieiras com arcos conopiais, presentes nas duas portas de acesso exterior ao andar nobre do edifício, no qual se abrem três vãos de quina chanfrada ou biselada, contemporâneos das mesmas. É de referir que estas duas portas manuelinas têm um afastamento entre ombreiras que já não será o original, uma vez que os arcos das torças já não ligam com o biselado das ditas ombreiras, o que poderá ter várias explicações.

 





  O terceiro edifício já não existe. Ficava em São Miguel do Outeiro, no final da Rua de Nossa Senhora da Conceição e tratava-se de uma fachada em alvenaria de pedra que possuía duas janelas quinhentistas, uma, tal como nos exemplos anteriores, possuía uma padieira com arco conopial, de estilo manuelino e a outra era de quina chanfrada, da mesma época, ou poderia mesmo esconder um arco por trás da caixa de estore.


Janela 1

Janela 2


 Antiga edificação


Nova edificação      

       Pormenor do arco canopial visível.

             E assim vai desaparecendo o nosso património, peça a peça…
            Não podemos continuar a permitir que a nossa herança patrimonial desapareça assim, à vista de toda a gente, dia após dia, enquanto olhamos serenamente sem fazer nada…
            Se existe lugar neste concelho, onde subsiste o maior número de sinais da arquitectura quinhentista é o lugar de São Miguel do Outeiro, principalmente no que se refere à arquitectura civil, mas não só… 
            Na igreja de São Miguel do Outeiro temos o único túmulo manuelino do concelho, o carneiro armoriado de Pedro de Figueiredo que possui a única inscrição gótica original de todo o concelho de Tondela (sendo que existe outra na vila do Caramulo, mas foi para lá levada no século passado). Para além do túmulo manuelino, possui esta igreja um interessante conjunto de sepulturas brasonadas, também único dentro das fronteiras do município.
            Ainda nesta localidade temos a quinta de Carvalhiços que no seu conjunto ainda apresenta alguns traços arquitectónicos do final do Séc. XVI, sendo de salientar a padieira brasonada com inscrição datada de 1595.

 Padieira brasonada e epigrafada da Quinta de Carvalhiços

            Mas São Miguel do Outeiro tem muito mais do que isto… Existe em São Miguel do Outeiro uma rua que se distingue de todas as outras do concelho de Tondela. Trata-se da Rua de Nossa Senhora da Conceição e seu seguimento pela Rua do Cimo de Vila. Esta artéria principal de São Miguel do Outeiro alberga em si, e em pequenas ruelas que dela emanam, um conjunto habitacional deveras peculiar, quer pela antiguidade das suas habitações - traçando quase uma história da arquitectura portuguesa desde o Séc. XVI - quer pela sua diversidade arquitectónica na tipologia dos edifícios.
            Quem entra nesta rua, pela parte mais baixa junto ao rio, começa por se deparar com a antiga Casa da Câmara Municipal do antigo concelho de São Miguel do Outeiro e, em frente dela, como era normal, ergue-se o pelourinho, sinal máximo da autonomia concelhia. O conjunto de arquitectura politica, administrativa, judicial e prisional completa-se um pouco mais à frente, na mesma rua, com o edifício da antiga prisão daquele antigo município.
            Quanto a exemplos de arquitectura infra-estrutural, temos, na mesma rua, um pouco mais acima, um fontanário típico do regime do Estado Novo (1938).
            Também a arquitectura religiosa está bem presente nesta artéria. Sensivelmente a meio da mesma temos a pequena capela de Nossa Senhora da Conceição, de 1649, com o seu precioso exemplar de relógio de sol no campanário, ainda em bom estado de conservação, e, no final da Rua do Cimo da Vila, a capela de São Pedro (Séc. XVI/XVII?). Saliente-se também a presença em todo este percurso de vários "nichos da paixão de Cristo" que tanto se prendem ao culto religioso da Via Sacra no período quaresmal.
            No que se refere à arquitectura civil, verdadeiro património a preservar nesta rua devido às suas características cronológicas e estilísticas únicas, salienta-se para além do grande grupo de casas (12) com as características quinhentistas que já referimos, existem também alguns bons exemplos de arquitectura "Chã" dos finais do Séc. XVI, inícios do XVII, de arquitectura solarenga maneirista, onde se salienta a Casa do Terreiro; da arquitectura civil popular (com a existência de habitações e barracões em pedra e tabique), entre muitos outros exemplos, como se verá no anexo de imagens que acompanha este texto.
            Já é tarde para salvar a anta do Tojal Mau, em Molelos, destruída recentemente pelo proprietário dos terrenos, ou para salvar a fachada manuelina de São Miguel do Outeiro. Mas não é tarde para proteger o que ainda existe, para não apagar a memória de tantos séculos de história, para deixar alguma coisa para os nossos filhos e netos poderem observar para além do virtual de um monitor ou papel de uma fotografia.
            É preciso acreditar na potencialidade do nosso património cultural e natural enquanto uma mais valia para as populações locais, sendo dos melhores pólos atractivos de turismo sustentável que temos para oferecer, e elemento fundamental, não só para a economia local e regional, mas também para a fixação de população, evitando a desertificação humana que tanto assola o concelho.
           

            Assim, e de acordo com o exposto, e como tentativa de tentar ajudar na solução do problema de uma forma construtiva, permitam-me a sugestão das seguintes medidas:
1 - Localizar urgentemente, negociar e adquirir as cantarias das janelas desaparecidas em São Miguel do Outeiro, com principal atenção à(s) janela(s) manuelina(s), de forma a poder a vir a expô-las futuramente no museu ou, ver ponto 3. 

2 - Proceder à identificação e classificação imediata de todas as fachadas com interesse histórico, na referida artéria de São Miguel do Outeiro (Rua de Nossa Senhora da Conceição e Rua do Cimo de Vila, não permitindo, desde já, qualquer demolição em património sinalizável como historicamente relevante.

3 - Aquisição do edifício em ruínas, que se encontra no largo do final da Rua de Nossa Senhora da Conceição, início da Rua do Cimo de Vila, casa que ainda possuí, no piso nobre, um emolduramento quinhentista na sacada que dá para o mesmo largo, e criação, no mesmo edifício, de um centro interpretativo da história de São Miguel do Outeiro, "Vila Renascentista", (e porque não da arquitectura civil de Tondela?), promovendo também a recuperação possível de toda a rua, como extensão do próprio centro interpretativo, através de material informativo junto das diferentes peças patrimoniais, mesmo das que ficam fora deste arruamento.

4 - Proceder à identificação e classificação imediacta de todas as estruturas com interesse histórico, em todo o concelho de Tondela, não permitindo, desde já, qualquer demolição em património sinalizável como historicamente relevante. (Aqui o recurso a protocolos com universidades, através da criação de estágios dentro das áreas do património, será uma boa forma de combater a falta de meios humanos e também de estimular a vinda de investigadores de fora, e assim promover a nossa História e os nossos monumentos). Posteriormente, proceder à identificação de todos os proprietários que têm, sob sua protecção, património classificado, de forma a se poder efectuar acções de sensibilização aos mesmos, dando-lhes a conhecer a importância do património que possuem e quais os seus direitos e obrigações em relação ao mesmo.

5 - O envolvimento de toda a comunidade escolar e educativa na defesa, mas principalmente na educação e sensibilização para o património dos nossos jovens, através de visitas de estudo aos diferentes sítios arqueológicos, de trabalhos temáticos sobre o património local, etc, etc…

6 - Assumir a verdadeira importância que o nosso património edificado pode ter no sector do turismo sustentável, olhando para o investimento na salvaguarda do mesmo como uma "mais valia" em termos de futuro e não um entrave ao desenvolvimento local.

7 - Porque é importante que quem venha passar férias ao nosso concelho tenha o que visitar durante toda a sua estadia, propomos a criação de roteiros históricos turísticos, temáticos, a serem impressos em papel, ou em app para smartphone, que possam levar os curiosos a percorrer o concelho em busca de tanta coisa. Parece-me que existe a possibilidade de criar bons roteiros temáticos, acompanhados de publicação impressa, para exemplos como:
A - Pré-história e Proto-História, arte, megalitismo, lagaretas, castros, etc. etc..
B - Arquitectura religiosa, alminhas, ermidas, capelas e igrejas.
C - Arquitectura civil popular e erudita, solares, casas nobres, casas de agricultor, etc...
D - Arquitectura vernacular e industrial, moinhos, canastros, eiras, fornos, etc..
E - Industria mineira, Feal, Molelinhos, etc…
F - Rota dos Antigos Concelhos, pelourinhos, casas de audiência, prisões, etc.
G - Rota do vinho, vinhas, adegas, lagares, alambiques, etc.
H - Artesanato, olarias, etc.
Estes entre alguns outros que poderão ser criados.

8 - Promoção de visitas de estudo organizadas com guia, por inscrição, pelos diversos roteiros criados no ponto anterior.

9 - Actualização e correcção dos dados sobre o património visitável do concelho, no site da Câmara Municipal de Tondela (http://www.cm-tondela.pt/).

10 - Criação e publicação da, já muito atrasada, Carta Arqueológica do Concelho de Tondela.
         
Anexo I - Património de interesse histórico nas ruas de Nossa Senhora da Conceição e do Cimo de Vila, em São Miguel do Outeiro e artérias secundárias.
A) Arquitectura civil quinhentista, caracterizada pela decoração mais simples e popular de todas, com os emolduramentos dos vãos com as quinas chanfradas ou boleadas, típicas do gótico português.

Casa 1 - Duas janelas de quina biselada, um cruciforme e uma pequena inscrição.







 

Casa 2 - Uma porta, uma janela e uma sacada de quinas chanfradas ou biseladas.
 
   






Casa 3 - Uma janela de quina chanfrada ou biselada.
 





Casa 4 - (destruída) - Já só restava uma fachada onde constava uma janela manuelina, uma janela de quina chanfrada ou biselada e uma pedra inscrita(?).
                




Casa 5 - Em perigo de ruína, carece de classificação, protecção e intervenção. Casa que poderia ser adquirida e transformada em centro interpretativo, conforme o ponto 3 na carta em cima. Presença de sacada de quina biselada, no primeiro piso, virada ao largo. Fogueiras de Natal à sua frente, durante dias, não ajuda nada à sua conservação.




Casa 6 - Conjunto de 3 janelas de quina biselada.




Casa 7 - Restos de quinas biseladas nas ombreiras da porta da rua, que sofreu alterações na padieira, provavelmente em 1730, conforme atesta o cronograma epigrafado na mesma, juntamente com um cruciforme. Janela de emolduramento de quina biselada.
           




Casa 8 - Casa na Rua da Cal. Porta de quina biselada, no primeiro piso da casa.



   
Casa 9 - Rua da Cal. Porta de quina biselada no piso térreo.



               
Casa 10 - Em perigo de ruína, carece de classificação, protecção e intervenção. Embora seja uma casa com elementos principalmente seiscentistas, ainda possui uma porta de quina biselada, quinhentista, com acesso pela Rua da Cal. Poderia ser também uma hipótese para o centro interpretativo.



Casa 11 - Presença de emolduramento biselado no primeiro piso da casa.


                        
Casa 12 - Rua do Cimo de Vila, já perto da capela de São Pedro.



   

Casa 13 - Casa do Terreiro. Presença de uma sacada com emolduramento de quina biselada.



    

B) Arquitectura civil seiscentista. 
Casa 1 - Já referida na alínea A) como Casa 10 - Janela de moldura seiscentista.





Casa 2 - Rua do Cimo de Vila - Porta seiscentista.
 




Casa 3 - Duas portas e duas janelas seiscentistas.
 





       
Casa 4 - Fachada de casa em muito mau estado, na Travessa de Nª. Srª da Conceição. Janela seiscentista com cruciforme bastante acentuado.






Casa 5 - Casa do Terreiro (já referida na alínea A) como Casa 13) - Portal seiscentista de acesso à casa.




C) - Arquitectura civil setecentista.
Casa 1 - (Já referida nas alíneas A) e B)) - Casa do Terreiro, com capela dedicada a Nossa Senhora do Pé da Cruz, construída em 1661 e reconstruída em 1741. Fachadas contemporâneas da reconstrução da capela. Casa brasonada.



Escudo com as armas de Abranches, Lobos e Costas.

D) - Arquitectura civil oitocentista.
Casa 1 - Em perigo de ruína, carece de classificação, protecção e intervenção. Na Rua de Nª Srª da Conceição. Casa abastada com características do Séc. XIX, com uma porta que mostra um magnifico trabalho de madeira, muito ao gosto romântico.




 
E) - Arquitetura civil popular e vernacular. (são muitas casas)
 







 
 

E) - Arquitectura politica, administrativa, judicial e prisional.
1 - Pelourinho do antigo concelho de São Miguel do Outeiro. 1268 - foral concedido por D. Dinis ao couto de São Miguel do Outeiro; 1762 - criação do concelho; 1766 - data epigrafada no fuste, poderá indicar a data de edificação; 1855 - extinção do concelho; 1916 - data epigrafada no fuste e que se refere a uma intervenção; 1989 - um acidente deitou por terra o pelourinho, fragmentando o remate.
  
 

2 - Paços do antigo concelho de São Miguel do Outeiro.

3 - Antiga prisão do extinto concelho de São Miguel do Outeiro.



 
F) - Arquitectura infraestrutural.
1 - Fonte de São Miguel do Outeiro (1938)
 

G) - Arquitectura religiosa.
1 - Capela de Nossa Senhora da Conceição (1649). Campanário com relógio de sol.
                  
 
2 - Capela de São Pedro.

     
3 - Nichos da Paixão de Cristo. Via sacra ainda com muitos nichos, equivalente à que existia em Tondela e da qual já só resta o nicho do Solar do Rolo. O percurso passa na referida artéria onde se encontram 4 destes nichos..

   





Outro património de interesse  em São Miguel do Outeiro (localidade).
1 - Igreja de São Miguel. Destaca-se o arcossólio quinhentista de Pedro de Figueiredo e o conjunto de sepulturas armoriadas.
      
 2 - Fonte de Chafurdo..
 
3 - Capela do Calvário.
 
4 - Capela de São Brás.
5 - Quinta de Carvalhiços.
  
 6 - Nichos de santos e alminhas